Especialista ensina os primeiros passos de atendimento para emergências bucomaxilofaciais

Com mais de três décadas de experiência na área de traumatologia bucomaxilofacial, Claudio Valente fala sobre seu novo livro e as principais dificuldades que recém-formados e residentes têm ao atuar na área

Os 35 anos de experiência profissional fazem do doutor em odontologia Claudio Valente uma grande referência na área de traumatologia bucomaxiolofacial. A experiência acumulada durante todos esses anos se transformou em livro. Um não, dois.
 
A segunda edição livro “Emergências em Bucomaxilofacial” foi lançada pela Thieme Revinter em setembro, com uma missão bem específica: atender à enorme de demanda de conhecimento profissionais recém formados e residentes na área de odontologia e otorrinolaringologia em uma das áreas mais complexas da anatomia humana, que é a cabeça.
Valente, há uma enorme dificuldade entre os profissionais que estão entrando no mercado de trabalho em saber o que fazer nos primeiros atendimentos do paciente de emergência. “Muitos não sabem como começar, o que fazer primeiro, quais as sequências dos procedimentos, o que não pode deixar de verificar… O cirurgião dentista que está entrando no mercado de trabalho tem dificuldades de responder. Foi baseado nisso que eu comecei a escrever alguns capítulos do livro”, afirma.
 
Autointitulado da “velha guarda”, Valente entende que essa é uma dificuldade comum entre esses jovens profissionais hoje em dia. Isso é dificultado ainda mais pela escassa literatura médica no Brasil ainda carente de conteúdos voltados para traumatologia.
 
“Infelizmente eu vejo que os recém-formados ainda estão muito despreparados, saindo muito crus das universidades para enfrentar o dia-dia da saúde. Principalmente nas emergências e na saúde pública. Trabalho em pronto socorro até hoje e vejo de perto as dificuldades dos alunos”, avalia.
Primeiro atendimento é o mais importante
Com todas as já sabidas dificuldades da saúde pública no Brasil, Valente entende que são raros os profissionais experientes que estejam dispostos a trabalhar no pronto socorro. “Quem está nessa linha de frente é quem está entrando agora no mercado de trabalho, por isso era é muito necessário prepara-los para esse primeiro atendimento”, afirma.
 
Isso porque o primeiro atendimento, ressalta Valente, é o mais importante para o paciente. Para ele, o atendimento pode até não ser resolutivo, mas tem que preparar o paciente para o restante do tratamento. Se este primeiro momento for ineficaz, todo o processo que virá depois será prejudicado.
 
Valente explica que a cabeça e o pescoço são partes completamente diferentes do resto do corpo e é aí que reside sua complexidade, com várias peculiaridades anatômicas. São diferenças anatômicas importantes. Como os traumatismos faciais são muito comuns, esse tratamento precisa ser diferenciado, ou deixará sequelas difíceis de serem reparadas.
 
“Considero um livro especial e essencial para quem está começando. Ele é bem metódico e bem didático, fácil mesmo de acompanhar”, finaliza Valente.
O autor
Claudio Valente Viana
Possui graduação em Odontologia pelo Centro Universitário de Volta Redonda (1982), especialização em Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial por Sistema de Residência no Hospital da CSN (1985), mestrado em Odontologia na área de CTBMF pela Universidade Camilo Castelo Branco (2000) e doutorado em Odontologia na área de Estomatologia pela Universidade Federal da Paraíba (2005). Reitor da Universidade Iguaçu – UNIG no período 2010-2011. Professor titular do Centro Universitário de Volta Redonda, atuando nas disciplinas de Cirurgia e Traumatologia Buco Maxilo Facial e Anatomia de Cabeça e Pescoço. Professor e Coordenador do Curso de Especialização em Cirurgia e Traumatologia Buco Maxilo Faciais.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *