2018 drauzio paralisia bell facial

Questões sobre a paralisia facial na oncologia

Em oncologia, a disfunção do nervo facial pode ocorrer após a parotidectomia, gerando paralisia facial, temporária (paresia) ou definitiva (perda total da função), ou aguda e crônica, respectivamente. Ambas produzem um impacto negativo na qualidade de vida do paciente, resultante em dificuldades na mastigação, deglutição, fala, fechamento ocular e comunicação.

Para avaliar o grau de comprometimento funcional do paciente algumas escalas estão disponíveis para a avaliação da face, contudo, a mais comumente utilizada é a escala de House-Braccman, a qual classifica a disfunção facial em seis graus, sendo o grau I considerado normal e o VI paralisia total.

A fisioterapia é eficaz na recuperação de pacientes acometidos por paralisia do nervo facial, sendo associada a outros tratamentos, contudo poucos são os estudos em paralisia facial secundária ao tratamento oncológico.

A EENM evita a atrofia nos músculos faciais na face parética ou paralisada, porém, estes pacientes podem ser acometidos por algum grau de sincinesia (movimentos anormais na face durante movimentos voluntários), e, neste caso, este recurso não é indicado, pois pode realçar ainda mais o padrão. Seu uso não é apropriado em casos agudos e paralisias faciais crônicas, o seu uso é limitado.

Na prática, o uso de eletroestimulação ocorre com frequências baixas (30-40 HZ) e tempo de duração de pulso alta, através de caneta de eletrodiagnóstico, com tempo de repouso dobrado em relação ao tempo de contração pode ser utilizado. Em geral, encontra-se o ponto motor do músculo facial a ser estimulado e, em seguida, aplica-se a EENM no mesmo durante 8 repetições associado à contração muscular ativa do mesmo, sendo o eletrodo ativo no ponto motor (caneta) e o eletrodo dispersivo no trapézio médio do paciente.

É prudente iniciar a terapia após 21 dias do procedimento cirúrgico em virtude do tempo de readaptação nervosa da fibra, pois a despolarização nervosa com a eletroestimulação é bilateral, ou seja, aferente e eferente.

Quer saber mais a respeito do assunto? Compre o livro Eletrotermofototerapia em Oncologia: Da Evidência à Prática Clínica. Encontre no nosso site!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *